segunda-feira, 23 de abril de 2018

Rita e sua bela paciência



Rita é uma bela moça que nasceu e foi criada em um pequeno sitio, bem longe da cidade. Seus pais fizeram de tudo para educar e criar dentro de suas condições financeiras, mas  o amor que eles davam esse não tinham medidas, transbordavam e como transbordavam.
Rita ia crescendo e em meio a inocência. E seus pais sempre a protegia, mas precisava pensar no seu futuro, afinal eles não podiam viver a vida toda aos cuidados de Rita, pois já eram adiantados em idades e não podiam ter mais filhos. 
Era uma tarefa árduo, mas os pais de Rita tinham que cria-la para o mundo, e eita mundo cruel, quando não somos engolidos, engolimos os sapos da vida.
Lá se foi a família para um local com o convívio de outras pessoas, e Rita já era uma mocinha e que menina mais linda, seu rosto resplandecia paz, amor e tranquilidade.
Estudou em uma boa escola e foi bem recepcionada pelas pessoas daquele bairro, viviam tranquilo e Rita já estava estudando e trabalhando em um comercio próximo de sua casa.
Haja felicidade para aqueles pais que queriam muito bem a sua filha, e via que ela já estava caminhado sozinha e sabendo se defender. Mas a simplicidade jamais perdeu e nem se deixou contaminar pelos outros. Tinha sua própria opinião e não se deixava ser levada por ninguém.
Rita nessa altura conhece um rapaz, mas não se deixa envolver, apesar de nunca namorar e mesmo tendo a permissão dos pais, não via nesse rapaz bem sucedido o homem que queria forma uma família.
Apesar de ter um exemplo de homem e pai em casa, sabia que nem todas as pessoas eram iguais, e que nem todo mundo seria parecido com homem que representava tudo em sua vida. Mas mesmo assim continuou na esperança que o homem de sua vida ainda estava por vim.
Seus pais já estavam preocupados, pois já estavam velhos e Rita sempre dispensava os pretendentes, até que um dia bateu em sua porta um rapaz, aparentemente feio, sujo, mendigando por um pedaço de pão e um teto e em dias chuvosos. Seus pais não resistiram em abriga-los no quarto no fundo de sua casa, ali deu de comer, agasalhou e deu teto.
Rita já não era mais uma mocinha, mas continuava com um coração puro de uma criança, mas viu nesse rapaz uma bela pessoa e sem querer os dois se apaixonaram.
Miguel que belo nome, era um verdadeiro cavalheiro, conseguiu emprego, e ajudava a família de Rita, além de ser uma ótima pessoa para todos, e cuidava com maior carinho dos pais de Rita.
Rita viu no Miguel alguém que ia além do que imaginava, e decidiu abrir seu coração para aquele belo homem, e o amor foi recíproco. Seus pais já notaram desde o incio que algo entre os dois tinham surgidos, mas preferiram ficar apenas observando. E com aprovação dos dois Rita e Miguel se casaram e formaram uma bela família dando os primeiros netos tão esperando para seus pais.
Quando foi indagada na rua como aquela bela moça tinha dispensados vários pretendentes que aos olhos de todo bairro eram excelentes, e casou com um homem que jamais viu e que mendigava pela rua, Rita não restou duvidas e certezas quando em suas palavras recitou.
" Eu não procurava riquezas, nem belezas e muito menos status em sociedade, eu procurava em um homem a verdadeira felicidade, felicidade essa que pudesse me completar e não dividir. Queria alguém que pudesse amar meus pais não porque eram meus pais, mas porque eles são pessoas idosos e precisavam de atenção . Queria alguém para me ajudar a carregar meu fardo quando eu precisasse e não alguém que algum dia viesse a espalhar piorando muito mais a situação. Espera que em momentos de fraqueza, alguém que me ajudasse a olhar o mundo bem mais forte. Alguém que um dia, olhasse para mim, não vendo apenas a beleza aparente da juventude, mas com os olhos de estar juntos uma vida toda. E mesmo a meios a dificuldades, não corresse para fugir deles, mas abraçasse e dizendo estamos juntos. Alguém que olhasse para o mundo, com a certeza de dias melhores, alguém que não reclamasse em meios as lutas, alguém que pudesse ter Fé e a certeza de que Deus está sempre no controle de tudo e de todos, e esse alguém eu encontrei no Miguel. Na verdade eu não encontrei, mas ele me encontrou e assim que funciona quando esperamos em Deus, a nossas bençãos sempre vem quando sabemos esperar. "
E assim Rita respondeu a pergunta e deixou aquela senhora sem nenhuma argumentação, apenas refletindo sobre cada palavra dita.
Rita e Miguel, viveram um bom período com os pais de Rita e logo, mas tarde os avôs das crianças deixaram essa terra, rumo ao descanso merecido, ou quem diz e acredita ao céus.
E assim, Rita, seu marido e filhos, viveram uma vida digna com altos e baixos, mas sempre esperançosos tendo apoio de cada um da família.